Basta! Nossa revolta por Marielle e Luciana

Marielle Franco, jovem vereadora do PSOL no Rio de Janeiro, foi executada a tiros na noite de quarta-feira (14/3).

Ela estava num carro acompanhada do motorista e de uma assessora na região central do Rio. Ela trabalhava ativamente junto a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.  Também havia sido designada como relatora da Comissão que iria acompanhar a intervenção federal no Rio de Janeiro.
Antes de ser executada havia denunciado a ação de policiais militares na Favela de Acari. 

Nesse mesmo dia, a professora Luciana Xavier teve o nariz quebrado por um guarda municipal durante repressão aos docentes que protestavam durante uma audiência pública em São Paulo, capital.

Luciana (42 anos) trabalha na rede municipal de São Paulo há quase quinze anos e protestava junto a dezenas de professores contra a proposta de “reforma” na previdência social dos servidores municipais que pretende aumentar o desconto nos vencimentos de todos os servidores dos 11% atuais para 14%.

Os professores municipais da capital paulista estão em greve e lutam contra esse projeto e por direitos legítimos.

No mês da mulher, duas mulheres, uma assassinada e uma covardemente agredida. Este é o revoltante retrato de uma situação que se repete dia a dia em nosso país e que necessita de um basta!

O Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte e Região se soma a indignação de toda a população contra esses crimes e exige justiça!

Justiça para Marielle! Justiça para Luciana!

O grito de dor e de revolta pelos seus nomes e pelos nomes de todas as mulheres vítimas da violência doméstica, sexual, da repressão as suas legítimas lutas, vítimas das “reformas” e medidas draconianas de governos e patrões, será ouvido e repetido até que esses crimes tenham fim.