Comerciários na Greve Geral

No dia 28 de abril o Brasil parou contra os ataques à Previdência, à aposentadoria, contra as terceirizações e em defesa dos direitos históricos dos trabalhadores que são alvo das "reformas" do governo. Milhões de trabalhadores participaram de protestos e mobilizações em todo o país.

Em Belo Horizonte, a concentração dos comerciários foi na sede social do Sindicato, na Rua Tupinambás 1045. Trabalhadores de base, diretores e funcionários do Sindicato dos Comerciários de BH e Região se somaram aos companheiros mobilizados pela UGT e se dirigiram em passeata à Praça 7 com muita disposição erguendo faixas contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e as terceirizações.

A forte chuva não fez diminuir a disposição de luta dos Comerciários que se somaram a milhares de trabalhadores de diversas categorias no centro da capital nesse dia nacional de lutas.

O companheiro José Cloves Rodrigues, presidente do Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte e Região e Secretário nacional dos Comerciários da União Geral dos Trabalhadores (UGT), destacou em sua fala aos trabalhadores na Praça 7 que:

“O momento é de mobilização total da classe trabalhadora de todo o país contra o desmonte das leis trabalhistas. O trabalhador não suporta e não vai aceitar a carga de trabalho até os 65 anos para se aposentar. Precisamos de um país em que os trabalhadores tenham um salário justo, escola pública de qualidade e a certeza que irão se aposentar com dignidade e direitos”.

A Greve Geral de 28 de abril, assim como a grande mobilização anterior, de 15 de março, que contou com mais de 100 mil trabalhadores em Belo Horizonte, demonstraram que os trabalhadores e a população de um modo geral não aceitam e não permitirão que essas reformas sejam aplicadas. Demonstra que o movimento sindical e os movimentos populares devem se preparar mais para maiores lutas e que somente assim esses ataques serão barrados e os trabalhadores conquistarão vitórias.