II Congresso Nacional de Direito Sindical

09/06/2014

Diante do cenário de crescimento do emprego formal em Minas Gerais e no Brasil e das demandas por mais direitos exigidos pela classe trabalhadora, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, realizou o II Congresso Nacional de Direito Sindical.

Participaram ministros de tribunais superiores, desembargadores, juízes, promotores, advogados, representantes de entidades sindicais, federações e confederações de trabalhadores, pesquisadores e estudantes.

O congresso tratou de temas importantes como o avanço do sindicalismo, a criminalização dos movimentos sindicais, o interdito proibitório, negociações de trabalhadores, greves e dissídios coletivos, entre outros. Um tema relevante abordado foi à adoção do piso salarial regional em Minas. Os mais de 2 mil participantes tiveram como ponto principal do seminário a palestra do ministro Ricardo Lewandowiski, presidente interino do Supremo Tribunal Federal (STF), que falou sobre a importância dos direitos sociais, trabalhistas e sindicais e a construção histórica do estado democrático de direito.

Comenda da Cidadania Sindical 


Everton Ferreira Ataíde, 1º secretário do SECBHRM; o ex-ministro do STF, Carlos Ayres Brito e o presidente do SECBHRM José Cloves Rodrigues.

 

Durante o II Congresso Nacional de Direito Sindical, realizado no Minascentro, em Belo Horizonte, no período de 5 a 6 de junho, várias personalidades foram agraciadas com a Comenda da Cidadania Sindical que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) outorga às figuras de destaque do meio jurídico e sindical. 

O presidente do SECBHRM e também da UGT, José Cloves Rodrigues e o vice-presidente do Sindicato José Alves Paixão, que foi representado pelo 1º secretário Everton Ferreira Ataíde, receberam a comenda. 

Na ocasião, o presidente Cloves enalteceu a importância do seminário e destacou que a prioridade do movimento sindical é defender as situações que os trabalhadores vivenciam no cotidiano. “É importante que haja parceria entre o Ministério Público, Ministério do Trabalho e Emprego e outras instituições para que sejam cada vez mais parceiros nessa luta em defesa dos direitos dos trabalhadores”, afirmou.