Não às reformas

15/05/2019

O Sindicato dos Comerciários de BH e Região tem, ao longo dos anos, sustentado uma posição clara e firme contra as “reformas”. Entendemos que o papel do movimento sindical realmente comprometido com os trabalhadores é esclarecer e resistir a aplicação de medidas que atacam e retiram direitos históricos e legítimos dos trabalhadores.

As “reformas” trabalhista e da previdência não trazem nenhum benefício aos trabalhadores e, muito pelo contrário, tornam ainda pior o que já é precarizado.

Sob o discurso de “modernização”, “flexibilização”, e “retomada da economia”, o governo quer que justamente os trabalhadores, que produzem toda a riqueza do país, sejam penalizados.

Os inimigos dos trabalhadores falam em “rombo” e déficit, quando na verdade são eles que retiram recursos da previdência pública.

O governo quer acabar com a aposentadoria por tempo de serviço. O discurso de que “quem ganha menos será menos taxado” é mentiroso. Além disso, impõe a contribuição dos trabalhadores do campo, que antes não existia.
O projeto de assalto a aposentadoria do governo prevê o aumento da idade mínima para as mulheres se aposentarem de 60 para 62 anos na cidade, e de 55 para 60 no campo.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) dos idosos pobres e deficientes que hoje é pago aos 65 anos, segundo os planos do governo passaria a ser pago aos 70 anos. Isso quando a expectativa média de vida dos brasileiros é de pouco mais de 72 anos para os homens.

Dessa forma, os trabalhadores que dependem da previdência pública para se aposentar só terão certeza de que pagarão numa vida inteira de trabalho, mas jamais saberão se estarão vivos para receber algo.

A "reforma" trabalhista também quer  acabar com os sindicatos, impedir o trabalhador de defender seus direitos, lutar por salários, horas-extras, jornadas de trabalho, impedir o trabalhador de contribuir para sua organização e de manifestar contra as injustiças cometidas contra eles a todo momento.

Vivemos um momento crucial em nosso país e o movimento sindical não pode se omitir. É necessário ter posição firme e decidida.

Não vamos aceitar a reforma trabalhista e vamos resistir a sua aplicação nos locais de trabalho. Vamos lutar por sua revogação!

Não à reforma da previdência!

É preciso uma grande mobilização em todos os setores para que compreendam a gravidade desse momento. É hora de se debater a necessária e urgente luta contra as reformas nos locais de trabalho, nos bairros, promover reuniões, debates, plenárias, mobilizar a população.

Nós do Sindicato dos Comerciários de BH e Região estamos empenhados nessa luta e temos debatido juntamente com outros sindicatos e organizações. Temos participado de plenárias sindicais e fóruns.

Acreditamos que uma grande luta nacional deve ser construída com empenho e que como fruto dessas reuniões e lutas locais surgirão novas demandas e novas lutas que se aglutinarão e barrarão esses ataques.

Fazemos nosso chamado a toda a categoria comerciária, ao movimento sindical e popular, à juventude, aos aposentados, desempregados, funcionalismo público, trabalhadores autônomos, é hora de união e luta. Todos estão chamados a participar dessa mobilização em defesa dos trabalhadores e de um Brasil em que o povo trabalhador seja respeitado e valorizado.

Fonte: Bic 472 - Maio/2019