Não basta planejar, é preciso seguir o planejamento

07/08/2014

A maioria dos belo-horizontinos planeja seus gastos domiciliares, mas poucos o seguem rigidamente. É o que aponta a pesquisa de Orçamento Doméstico do Consumidor de Belo Horizonte, realizada pela área de Estudos Econômicos da Fecomércio MG, referente às operações de julho de 2014. Segundo o estudo, 67,3% dos consumidores da capital mineira planejam seu orçamento mensal, mas apenas 37,1% o acompanham com rigor. Além disso, apesar de 52,3% pagarem suas contas em dia, não lhes sobra nenhum dinheiro ao final do mês.

Dos entrevistados, 22,7% fazem um planejamento dos gastos domésticos, mas o seguem parcialmente, enquanto 7,5% realizam a primeira etapa, mas não a acompanham. Dos respondentes, 32,5% não fazem nenhum tipo de planejamento. “Esses dados mostram que os moradores da capital mineira já têm uma consciência da importância de iniciar o monitoramento do consumo, mas ainda precisam de disciplina para executar o que planejaram”, diz a analista de pesquisa da Fecomércio MG, Luana Oliveira.

Situação financeira

O cartão de crédito representou 86,1% do peso dos compromissos financeiros, registrando um aumento em relação ao mês de junho (69,6%). Já os cartões de loja apresentaram recuo, com 0,6%. Além disso o cheque pré-datado correspondeu a 0,6% e o cheque especial a 0%.

Medidas para cobrir os gastos

Quando a renda não é suficiente para cobrir as despesas, uma das ações adotadas por 31,8% dos respondentes é enxugar a cesta de consumo, cortando itens e serviços considerados supérfluos. O estudo também aponta que 21,1% dos consumidores deixam de pagar alguma conta ou prestação e 20,4% lançam mão de algum tipo de poupança.

Veja a pesquisa na íntegra!

Fonte: Site Fecomercio/MG