Sindicato mobiliza em Brasília

29/05/2017

Não às reformas!

No dia 24 de maio, o Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte esteve presente no protesto junto com os mais de 150 mil trabalhadores que tomaram Brasília em um grande protesto contra as “reformas” da Previdência e Trabalhista.

O governo, sem legitimidade alguma, diz que está realizando “reformas que o Brasil precisa”.

Nós dizemos: NÃO!

O protesto em Brasília foi mais uma grande mobilização nascida da revolta de milhões de brasileiros contra a corrupção e o desmantelamento da economia nacional.

A manifestação foi uma grande vitória, porque o governo queria seguir votando medidas contra o povo como se nada estivesse acontecendo e a manifestação fez com que todos ouvissem o grito de protesto dos trabalhadores.

Alguns já dizem que em meio a crise, Temer deve cair e entrar outra pessoa em seu lugar para realizar as reformas.

Nós mais uma vez dizemos: NÃO!

Para tentar deturpar o sentido da manifestação dos trabalhadores, o governo e alguns jornais só mostram uma parte do protesto. Mostram os prédios dos ministérios sendo queimados.

Eles escondem que a Esplanada dos Ministérios estava lotada de trabalhadores e trabalhadoras manifestando contra um crime que o governo planeja cometer com essas reformas.

Querem acabar com a aposentadoria, querem acabar com a previdência, querem acabar com as leis que protegem os trabalhadores para aumentar a exploração. Querem que o povo pague pela crise!

Quem está destruindo o país são os políticos corruptos. Estamos vendo grandes empresários que compram políticos com malas cheias com milhões enquanto os postos de saúde estão sucateados, as escolas públicas estão arruinadas. Quem está destruindo o patrimônio público são os maus governantes. Isso que é vandalismo!

O país enfrenta a mais grave crise de sua história.

É crise política derivada de sucessivos governos afundados na corrupção, de disputa de grupos que passaram as últimas décadas se enriquecendo às custas da retirada de direitos da população.

É crise econômica profunda. Como pode um país tão rico como o Brasil, com milhões de hectares de terras em que “se plantando tudo dá”, com um povo tão trabalhador, estar afundado em uma crise tão profunda? Porque nosso país tem suas riquezas sugadas pelos gananciosos, porque nossa economia é ditada pelos interesses do capital estrangeiro, porque aqui impera absurda exploração e o lucro é todo canalizado pelos bancos, pelas multinacionais, pelo agronegócio, pelos grandes empresários, enquanto a população amarga a inflação, o arrocho, o caos na saúde e na educação pública e a ameaça constante de retirada de direitos?

É crise moral. Todos os dias novas denúncias vêm a tona escancarando toda a sujeira e os crimes que os governantes e figuras que estão no poder cometem contra a população e o país. Aquele que chama um de ladrão hoje é denunciado amanhã. Um dia gritam “Fora Fulano” e no outro dia pedem “Fora Ciclano”, e todos estão contra o povo.

É preciso continuar e aumentar a mobilização.

 

O movimento sindical tem o dever de convocar os trabalhadores e lutar para barrar todas essas reformas. Essa é a bandeira daqueles realmente comprometidos com os interesses dos trabalhadores e da população.

 

Mobilização em Brasília