Palavra do Presidente

Em ano de copa e eleições, nossa luta é por virar o jogo contra as "reformas"

Como já dissemos repetidas vezes, as “reformas” do governo e patrões são o pior golpe contra os trabalhadores da história em nosso país, são um crime contra a população e contra a Nação.

Com a “reforma” trabalhista, o governo e a classe patronal atacaram direitos históricos, conquistados em décadas de lutas dos trabalhadores, como: a regulamentação de jornada de trabalho; várias medidas que garantiam melhores condições para o exercício das funções e para a saúde dos trabalhadores; atacaram as leis que protegiam os direitos individuais e coletivos, mutilando a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e a própria Constituição Federal.

E foram além. Cientes da resistência dos trabalhadores contra as “reformas”, atacaram as organizações sindicais para tentar esvaziar a luta contra esses ataques. Assim, embutiram uma “reforma” sindical que pôs fim a contribuição sindical, que era prevista na Constituição, para assim enfraquecer a sustentação dos sindicatos.

É um plano maquiavélico, cujo objetivo é sufocar as organizações dos trabalhadores para impor, no futuro, novas “reformas”.

Depois de retirar tantos direitos, seu plano é que a “reforma” previdenciária acabe com a Previdência Pública. Dessa forma, os trabalhadores terão de contribuir e trabalhar até o fim de suas vidas, pois na prática, atualmente milhões e milhões de trabalhadores já são forçados a seguir trabalhando, mesmo após os 65, 70, até 80 anos, uma vez que com as aposentadorias atuais já é impossível pagar pela galopante inflação, medicamentos, transporte, aluguel, impostos, etc.

Sonham que assim vão matar a resistência dos trabalhadores. Sonham! Pois foi sempre nas adversidades que a luta dos trabalhadores provou sua força.

É ano de copa do mundo e eleições.

Nossa memória de copas não é nada agradável. O 7x1 da Alemanha contra o Brasil é o retrato do Brasil da crise, dos bilhões de reais em obras superfaturadas, corrupção (no parlamento e na direção dos esportes), das “reformas” que só aumentam o lucros dos patrões e o arrocho para os trabalhadores.

Nossa memória das eleições também não é nada boa. Aqueles que fizeram discurso de mudança para angariar votos e também aqueles que derrubaram um governo dizendo que ele não era bom, só têm agido contra os trabalhadores.

Para virar esse jogo, é preciso mobilização, consciência, organização e muita luta. 

Os trabalhadores têm honra, têm memória. Sabemos os nomes e o partido aqueles que votaram projetos e leis e governam contra a maioria da população. Não adianta o velho truque de trocar o nome das siglas nem mudar as coligações.

Nós do Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte e Região entendemos que uma grande mudança é necessária. Sabemos também que, independente do resultado da copa e das eleições, os trabalhadores nunca conquistaram e não conquistarão nada sem luta.

À seleção sucesso nos gramados. E para o futuro, um Brasil livre de “reformas” que retiram direitos dos trabalhadores. E por uma Nova Política, livre da corrupção e dos malfeitos que tantos prejuízos trazem para nosso país.

José Cloves Rodrigues
Presidente do Sindicato dos  Comerciários de BH e Região
Abril/2018