Palavra do Presidente

É preciso resistir!

Dizemos: Não às “reformas”

O Sindicato dos Comerciários de BH e Região sempre sustentou que somente a luta pode barrar as “reformas” e os demais ataques aos direitos dos trabalhadores.

A “reforma” trabalhista aprovada em 11/7/2017 no Senado é o mais grave golpe contra os direitos trabalhistas. É um retrocesso de mais de um século. Ela legaliza os crimes que já vinham sendo cometidos pelos patrões e que o movimento sindical sempre deu combate como: desrespeito a jornada de trabalho, as terceirizações, a prevalência do negociado sobre o legislado (fim da Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT),etc.

Quem votou contra os trabalhadores na reforma trabalhista foram, em grande parte, políticos que respondem por crimes, investigados e denunciados por corrupção, “caixa 2”, “mensalão”, envolvidos com propina, etc.

Já denunciávamos que essas medidas seriam seguidas de novos ataques cada vez mais graves. Em 16/8/2017, o governo Temer, via decreto, determinou ser “essencial” a atividade em supermercados. Dessa forma, com uma canetada, para atender as grandes redes varejistas, pretende obrigar a abertura desses estabelecimentos nos domingos e feriados.

O Sindicato dos Comerciários de BH e Região considera essas medidas ilegítimas e ilegais. Por via de troca de benesses, chantagens e manobras escusas, pretendem soterrar décadas de lutas e conquistas das classes trabalhadoras.

 Reforma trabalhista é escravidão legalizada

Grande parte dos políticos e demais inimigos dos trabalhadores enchem o peito para dizer que as leis trabalhistas no Brasil são “obsoletas”, que “o mundo mudou”. Mas desde 1943, quando as primeiras leis trabalhistas foram sancionadas, pouco foi agregado a elas e muito foi retirado.

Esses senhores, que não dependem da Previdência Pública pois recebem vultosas aposentadorias; não dependem do SUS pois têm acesso aos melhores hospitais; não compram gasolina com o dinheiro dos seus bolsos pois viajam de carros e aviões pagos pelo dinheiro da população; etc., dizem que a reforma trabalhista vai gerar “milhões de empregos” e crescimento.

Com a reforma trabalhista, o que terá são sub-empregos precarizados, trabalhadores ainda mais explorados e sem direitos.

Isso não é crescimento, é a velha escravidão com uma roupagem “moderna”.

Nosso Sindicato lutará sem tréguas contra essas medidas e convoca todos aqueles comprometidos com os trabalhadores para se unirem e lutarmos com todas as forças para que elas não sejam aplicadas.

NÃO ÀS REFORMAS TRABALHISTA E DA PREVIDÊNCIA!

NÃO AO DECRETO QUE OBRIGA A ABERTURA DOS SUPERMERCADOS AOS DOMINGOS E FERIADOS!

TODOS À LUTA!

 

José Cloves Rodrigues
Presidente do Sindicato dos  Comerciários de BH e Região

Setembro/2017